21.12.12

A SÍNDROME DO NATAL TRISTE


Entenda as principais razões da famosa tristeza das Festas
Você fica triste com a proximidade das Festas? (Foto: iStock)

Em meio às tantas alegrias que vemos nas Festas, sabemos que muitas pessoas acabam enfrentando alguns momentos de depressão assim que percebem os primeiros enfeites natalinos nas ruas; que lhes lembram que o Natal e o Reveillon vêm chegando.

Algumas relembram entes queridos que estiveram com elas no ano passado e não estão mais aqui, outras pensam em gente presente em natais mais distantes e que também se foram. Há ainda aquelas que rememoram alegres Natais passados que hoje não têm mais ou, ao contrário, Natais tristes que gostariam de esquecer.

Sentem-se tristes também, os que não conseguiram o que prometeram a si próprios para 2012, os que sofreram muito neste ano, os que perderam amigos e amores, os que estão longe de casa para estudar ou trabalhar.

Todos esses e outros casos, são muito comuns na nossa sociedade e acontecem em todos os anos com muita gente. A tristeza, sem exageros, é normal.

Lembro a todos que, estar um pouco triste de vez em quando, é normal, faz parte da natureza humana. Ainda mais em datas marcantes, que nos mostram que mais um ano já passou e nos cobram atitudes e reações para as quais nem sempre estamos preparados. Mas não devemos deixar essas tristezas anularem o que as Festas têm de bom, como a confraternização, os reencontros, as vitórias conquistadas e, afinal, mais um ano de vida.

Convenhamos: a saudade sempre nos remete a algo bom que vivemos em algum momento, pelo que devemos estar gratos com a vida.Só sentimos falta de quem amamos, de quem nos deu carinho. Não é todo mundo que tem isso para recordar.

Portanto, festeje o que você já teve, já saboreou. E valorize também o que tem hoje, que é muito precioso e pode não ser eterno. Quanto às promessas não cumpridas, perdõe-se e procure retomar o que for viável. Os acertos da vida são feitos de tentavas; não de arrependimentos.

Compaixão pelo próximo
Outras pessoas sentem-se tristes por pena dos outros. Pensam naqueles que nada têm, que sofrem, que não terão uma ceia e que não receberão abraços.

É, sem dúvida, um sentimento nobre, de solidariedade e compaixão. Mas, sendo realista, sabemos que o mundo é assim desde muito antes de nascermos e que não temos nas mãos o poder de mudar tudo e já.

O melhor remédio para essa depressão é preparar-se, já no início de 2013, para ajudar alguém, dentro de suas possibilidades; sabendo que se, todos fizerem o que estiver ao seu alcance, daqui a um ano veremos melhores Festas do que agora.

Há muitos meios, alguns até surpreendentes. Conheci, por exemplo, um mendigo que ajudava muito uma septuagenária solitária, indo jantar diariamente na casa dela e lhe fazendo companhia.

Aos mais ansiosos, digo que não precisam esperar meses ou anos para começarem a mudar a lamentável realidade que lhes entristece nas Festas. Podem começar já. Há muito a fazer agora.

Que tal sorrir para a próxima pessoa triste que você encontrar?

* Alessandro Vianna é psicólogo clínico e sente um enorme prazer em estudar e entender o comportamento humano. Clique neste link para conhecer melhor o seu trabalho.

Publicado originalmente em: 
http://br.mulher.yahoo.com/a-tradicional-tristeza-das-festas-133952828.html